quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Não há vergonha na cara?

"A Segurança Social promoveu todas as chefias para compensar os cortes salariais no próximo ano. O aumento tem efeitos retroactivos ao início de 2010. As nomeações foram hoje publicadas em Diário da República e são assinadas pelo ministro das Finanças."



Parece que não. E ninguém desata aos tiros...

Aqui: http://sic.sapo.pt/online/noticias/dinheiro/Chefias+da+Seguranca+Social+foram+promovidas+com+retroactivos+a+Janeiro.htm

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Como se chama a esta observação?

A culpa da derrocada no Curral das Freiras foi da muita chuva que caiu - Santos Costa



E quem é que deixou lá as pedras? E quem é que não se preocupou com as pessoas? Estão há espera que alguém morra?

Realmente o homem tem ar de cangalheiro... Será mais um dos nossos governantes 'doentes' (segundo Miguel Mendonça, há vários)...

É oficial!!!



Francisco Freitas Letra

E pode???

Deus chamou o André Villas-Boas e disse-lhe:
- Este ano não vais ter presentes no Natal.
- Mas porquê meu Deus, o que fiz de errado para merecer esse castigo?
- Brincaste com Jesus...



Estou a ver que para o ano também não vai ter...

Nunca, nada, nem pensar nisso, foram só 147.500 euros de mais-valias

Cavaco Silva desmentiu ontem, ao sair de um debate da TVI, que tivesse qualquer coisa que ver com o BPN: "nunca comprei nem vendi nada ao BPN" (veja o vídeo em http://www.tvi24.iol.pt/videos).

Vamos aos factos.

Primeiro facto. Cavaco Silva comprou 105.378 acções da Sociedade Lusa de Negócios, dona do BPN, a um euro cada. A 17 de Dezembro de 2003, vendeu-as a 2,5 euros, com um lucro de 147.500 euros. As acções estavam depositadas na conta 6196171, do próprio Cavaco Silva, no BPN.

Segundo facto. As acções da SLN nunca estiveram cotadas. O seu valor para o momento da venda era determinado por um contrato, entre Cavaco Silva e a SLN, que ficou sempre secreto. Mas o resultado é conhecido: a SLN atribuiu a Cavaco Silva um ganho de 150%.

Terceiro facto. Cavaco Silva escolheu Dias Loureiro, seu ex-ministro e responsável na sua campanha presidencial, para o Conselho de Estado.

"Nunca comprei nem vendi nada ao BPN", diz Cavaco Silva. Esqueceu-se de dizer que comprou e vendeu ao dono do BPN. E com uma mais-valia assinalável, determinada por um favor contratual de Dias Loureiro ou de Oliveira e Costa, seus ex-ministro e ex-secretário de Estado.

Por:



Haja coragem de esclarecer mais este cambalacho...

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

20!!!

Número fatídico??? 20 de Fevereiro, 21 de Outubro, 20 de Dezembro...



Vamos à bruxa... ou sacrificamos um gorducho?!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Uma esmola, por favor

Há quem esteja necessitado da nossa caridade. Este fim de semana, o mal intencionado debate acerca do aproveitamento político da pobreza serviu para mascarar esta realidade imperativa. mas eu não me calo: há mesmo quem esteja necessitado da nossa caridade.

Porque ele sofre mais do que os sem abrigo. Os desempregados, nem comparar. Eles recebem caridade, ele desprezo.

A ele falta-lhe tudo, o carinho, a atenção, qualquer coisa que seja, um olhar, um gesto.

Mas era vê-los antes, em fila à porta, a solicitar um favor, eu não me esqueço. Quando se cai em desgraça ninguém olha para o pobre.

Ninguém o respeita. Noutros tempos, era convidado para todas as festas e coktails. Agora viram-lhe a cara se o encontram na rua. Fazem-no esperar nos corredores do ministério e não o atendem. Antes, esperavam uma caixa de robalos, o que fosse, senhor doutor, por quem é, era tudo mesuras, não esqueça a comissãozinha, e cumprimentos à família, senhor engenheiro. Agora, na pobreza, ninguém atende o telefone, ninguém responde, ninguém ajuda.

Sim, já sei, vais dizer-me que já deste alguma coisa. Mil euros, cada contribuinte. Mas o que é isso comparado com o que recebemos? O nome que ficou em Marrocos e no Brasil, em Cabo Verde e na Europa? Mil euros por contribuinte é coisa que se veja? Não, o BPN precisa de mais. Precisa da nossa esmola. Direi mesmo mais: precisa da nossa solidariedade. É Natal, não fechemos os olhos à pobreza. Caridade, há quem precise da nossa caridade.

Autor:


Há coisas fantásticas, não há?

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Comunicado à imprensa que a imprensa não divulgou...

Perante mais um ataque desinformativo por parte de quem devia ter como missão esclarecer os ouvintes e/ou leitores, o Bloco de Esquerda vem, por este meio, repudiar as afirmações efectuadas no programa Dossier de Imprensa, na última quinta-feira na RTP-Madeira, acerca da nossa posição relativamente à Zona Franca Industrial.
Na sua ânsia de defenderem as posições indefensáveis do PSD, há pseudojornalistas que metem os pés pelas mãos, confundem alhos com bugalhos e revelam uma ignorância atroz acerca do que falam, ou, pelo menos, uma incapacidade aflitiva de se tentarem informar para bem poderem informar os outros; o Bloco de Esquerda nunca argumentou, nunca se pronunciou, nunca se manifestou contra a Zona Franca Industrial.
O Bloco de Esquerda sempre se mostrou liminarmente contra a Praça Financeira Exterior, vulgo ‘offshore’, que tem como principal base, não a instalação física no Caniçal, mas uma imaginária colocação num edifício na baixa do Funchal, que serve de fachada para negócios pouco claros que têm sido denunciados, inclusivamente, pela imprensa mundial. Essas ‘empresas’, que fazem passar milhares de milhões de euros pela Madeira, sem pagarem um cêntimo de impostos, não criam qualquer posto de trabalho, não geram receitas para a economia da Região (excepto aquilo que dão a ganhar aos seus mandantes e gestores), nem são sequer uma mais-valia em termos de reconhecimento público do arquipélago (bem pelo contrário).
Por tal, e mais uma vez, o Bloco de Esquerda-Madeira manifesta a sua total oposição ao ‘offshore’ da Madeira, considerando que é apenas mais um instrumento de fuga ao fisco, de lavagem de dinheiro e de enriquecimento ilícito de alguns, que se aproveitam da Madeira e dos madeirenses para se encherem cada vez mais, enquanto a maioria da população vai vendo e sentindo os seus direitos cada vez mais coarctados, a sua vida mais dificultada, as suas necessidades básicas mais limitadas.
O Bloco de Esquerda-Madeira repudia de todo as afirmações de pretensos jornalistas sobre a sua posição referente à Zona Franca Industrial e reafirma que se manifesta apenas contra o ‘offshore’ e contra tudo o que de negativo e pouco transparente aquele ‘negócio’ apresenta.

Junto se anexa notícia do Correio da Manhã, da última terça-feira, que confirma a posição do Bloco de Esquerda.

“Segundo notícia do jornal Correio da Manhã desta terça feira, na Praça Financeira da Madeira existem 2.678 sociedades com actividade declarada. Dessas, apenas 97 tinham mais de dois trabalhadores, 107 têm apenas um trabalhador e 2.435 não têm nenhum trabalhador, sendo apenas um endereço postal, certamente para fugir ao fisco. Segundo o jornal, que teve acesso a dados do Ministério das Finanças, 1.679 sociedades sediadas no offshore da Madeira declararam proveitos, mas apenas 51 pagaram impostos. Em 2009, o valor dos proveitos declarados por essas empresas foi superior a 18.000 milhões de euros e os lucros líquidos atingiram mais de 3.700 milhões de euros, no total. Se fosse aplicada a taxa média de IRC (20%), essas empresas deveriam ter pago ao Estado português cerca de 750 milhões de euros, no entanto o fisco recebeu apenas 5,9 milhões de euros.”

Funchal, 10 de Dezembro de 2010
O Secretariado do Bloco de Esquerda-Madeira



Há coisas que é necessário branquear, não é?

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

(Des)informação...



Resposta de um açoriano (que, por acaso é socialista):

"O que se passa é que o corte é "sem excepções", como bem diz o Ministro. Acontece é que, "sem custar mais um cêntimo", o Governo Regional decidiu atribuir uma remuneração compensatória no exacto valor do corte aos funcionários que ganhem entre 1.500 e 2.000 euros brutos, como já decidira atribuir um complemento regional de pensão e um complemento regional de abono de família. De onde vem o dinheiro para a dita "excepção"?. Simples: pegou-se em 3 milhões de euros que estava destinados a cobrir o Estádio de São Miguel, que vai continuar sem cobertura... et voilà."

E que tal poupar os 40 milhões para o estádio do Marítimo e fazer o mesmo por cá?

Fundo para despedimentos...

Espera aí! Agora os trabalhadores vão pagar os seus próprios despedimentos???



Está tudo louco...

LADRÕES!!!

As gasoleiras voltaram a subir esta semana os preços da gasolina e do gasóleo, que estão já nos valores mais elevados dos últimos dois anos.

Depois de ter subido o preço dos combustíveis no início da semana, a Galp voltou a aumentar esta quinta-feira o preço do litro da gasolina e do gasóleo em 1 cêntimo, avançou fonte da empresa ao Económico. Assim, a gasolina custa agora 1,469 euros por litro nos postos da petrolífera portuguesa, enquanto o gasóleo vale 1,249 euros o litro.

O mesmo sucedeu na Repsol, onde os preços dos combustíveis voltaram a subir esta madrugada pela terceira vez desde sábado. A gasolina sem chumbo 95 e o gasóleo sofreram hoje ambos um novo acréscimo de 1 cêntimo, valendo agora 1,479 euros e 1,259 euros por litro, respectivamente, nos postos de abastecimento da Repsol.

Também a Cepsa já mexeu nos preços dos combustíveis três vez desde o último fim-de-semana. A última alteração foi feita ontem, quando desceu o preço do gasóleo e da gasolina, em 0,5 e 1 cêntimo, respectivamente, depois dos aumentos feitos no sábado e segunda-feira. Actualmente, o litro do gasóleo custa 1,239 euros e a gasolina vale 1,459 euros nos postos da gasolineira espanhola.

Já na BP, o litro da gasolina sem chumbo 95 octanas está mais cara em 2 cêntimos desde quarta-feira (a sua última actualização) e custa agora 1,469 euros, enquanto o litro de gasóleo subiu 1 cêntimo para 1,249 euros nos postos de abastecimento da energética inglesa.

São os preços mais elevados quer da gasolina quer do gasóleo desde o último trimestre de 2008, segundo avançou a mesma fonte ao Económico, altura em que o preço do petróleo atingiu máximos históricos, acima dos 147 dólares por barril.



Repito: LADRÕES!!!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Coisas que o BE anda a dizer há MUITO TEMPO!

Segundo notícia do jornal Correio da Manhã desta terça feira, na Praça Financeira da Madeira existem 2.678 sociedades com actividade declarada. Dessas, apenas 97 tinham mais de dois trabalhadores, 107 têm apenas um trabalhador e 2.435 não têm nenhum trabalhador, sendo apenas um endereço postal, certamente para fugir ao fisco. Segundo o jornal, que teve acesso a dados do Ministério das Finanças, 1.679 sociedades sediadas no offshore da Madeira declararam proveitos, mas apenas 51 pagaram impostos. Em 2009, o valor dos proveitos declarados por essas empresas foi superior a 18.000 milhões de euros e os lucros líquidos atingiram mais de 3.700 milhões de euros, no total. Se fosse aplicada a taxa média de IRC (20%), essas empresas deveriam ter pago ao Estado português cerca de 750 milhões de euros, no entanto o fisco recebeu apenas 5,9 milhões de euros.



Mas como é a comunicação social...

Talvez seja melhor pensarmos nisto...



Subscrevo completamente!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Ah,ah,ah! Boa malha, Roberto.

Jaime Filipe Ramos: O sistema de saúde da Região é o melhor do país...

Roberto Almada: Deve ser por isso que o presidente da bancada do PSD (Jaime Ramos), quando tem de ir ao médico, vai a Lisboa...



Ó pra ele com cara de quem tem de ir ao médico...

É o que dá festejar antes de tempo...



Também serve para a política...

Se a moda pega...



Num jogo aborrecido, estes acabaram por se divertirem...

Segundo o Telejornal da RTP-Madeira...

Bloco de Esquerda ameaça chumbar o Orçamento regional de 2011...



Dá-lhes com força Roberto. Aproveita enquanto vales por 24...

sábado, 27 de novembro de 2010

Será que ele sabe que os vencedores não são "comunas"?

Jardim sobre o Euromilhões: «Socialistas roubaram-nos e Deus repôs».



Perdoai-lhe Senhor, pois não sabe o que diz...

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Deus também fez greve geral...



O primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, considerou hoje a morte dos 29 mineiros soterrados numa mina de carvão do país como uma "tragédia nacional"e anunciou que uma comissão irá investigar o acidente.

"Perder os nossos irmão foi um golpe muito duro. Todos os neozelandeses estão solidários com as suas famílias e somos hoje uma Nação de luto", declarou John Key num discurso televisivo.

John Key disse também que visitará quinta-feira a mina onde ocorreu o acidente e que o país irá assinalar um dia de luto, durante o qual as bandeiras estarão a meia-haste e o parlamento irá realizar um minuto de silêncio em memória das vítimas. Por outro lado, acrescentou, nas próximas semanas será estabelecida uma comissão independente para investigar as causas da explosão de gás metano que soterrou os mineiros.

As autoridades da Nova Zelândia confirmaram hoje a morte dos 29 mineiros há seis dias depois de uma segunda explosão de gás metano na galeria de uma mina de carvão onde estavam soterrados há seis dias. "Não houve sobreviventes depois desta nova explosão no interior da mina", anunciou o responsável pelas equipas de resgate, Gary Knowles. As equipas de resgate já tinham revelado poucas esperanças de encontrar vivos os 29 mineiros soterrados até porque os socorristas estavam impedidos de entrar na mina devido à presença de gases tóxicos.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Acção popular pede anulação da cedência de estádio ao Marítimo

No documento é pedida a nulidade da decisão do governo madeirense, que aprovou a cessão "gratuita e definitiva" da estrutura ao clube.

A acção administrativa, que deu entrada anteontem no Tribunal Administrativo do Funchal, alega que a natureza e fins do Estádio dos Barreiros impedem a sua alienação pela Região Autónoma. Sustenta também que a operada transmissão, para além de "inexequível, não salvaguarda na íntegra os fins de interesse público, nomeadamente, a prossecução dos fins de interesse público desportivo a que Região se encontra adstrita".



Eu apoio!!!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Afinal foram 5!!!



E aí vai o vídeo do quinto...!!! De assinalar que há espanhóis que são cegos!!!

Aconteça o que acontecer...

http://www.record.xl.pt/galerias/videos/interior.aspx?content_id=501467

4-0, para mim chega!

Deixo uma foto exemplificativa do meu estado de espírito...



(Assim que tiver o vídeo, eu ponho. Vale a pena)

Embora esteja fora há algum tempo...



... também o sinto um bocadinho meu...

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Da cobardia e muitos milhões...

À custa dos nossos impostos (45 milhões de euros!!!), o Marítimo vai ter um estádio novo. Este clube tem como presidente um fulano que foi acusado de ter agredido um jornalista do Diário de Notícias da Madeira (e, pelos vistos, há testemunhas). Veio depois dizer que era tudo mentira e uma invenção do jornal. O Governo Regional da Madeira faz parte da SAD maritimista. O PSD-Madeira não se indignou com o acto. Será que a população madeirense se vai indignar?



Quanto mais tempo vão andar uma série de mamões a viver à grande e à francesa à nossa custa. Revolta-te! EXIGE A TUA VIDA!!!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Quem disse que futebol é com os pés?



Não foi o primeiro a fazê-lo, mas tem pinta...

Ainda dizem que não é possível descer mais baixo...

Marcelino Andrade pede ao Governo que não faça um novo hospital mas um bordel

Declarações do Ortopedista, porta-voz do SESARAM (???), sobre a greve do serviço

"Com o devido respeito que eu tenho pelas senhoras que me ouvem e pelas minhas colegas, uma das coisas que eu queria pedir era que houvesse serenidade, porque se os médicos começam a vir para a praça pública discutir como estão a discutir, era melhor pedir ao Governo que não faça um hospital mas que faça um bordel. A gente tem de discutir as coisas é dentro da nossa casa". Foi desta forma que Marcelino Andrade, médico ortopedista e hoje chefe-de-equipa da especialidade no serviço de urgência reagiu à greve decretada naquele serviço hospitalar.



Não nos bastava este?!

Benfica muda de 'sponsor'...



'Mai' nada!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Começo a suspeitar que alguns boatos não o eram...

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, afirmou hoje que o Estado português "é um Estado ladrão", porque corta "nas reformas das pessoas", para as quais "não contribuiu".

Falando na sessão de abertura do congresso Aconchego Colorido, uma organização do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Infantil, Jardim mostrou-se incomodado com a decisão do Governo de restringir a acumulação de pensões e vencimentos públicos.

Durante a alocução o governante já tinha indiciado que a questão era "caso de tribunal", porque considera que há princípios "fundamentais da União Europeia" que estão a ser violados.

" saída, quando questionado pelos jornalistas para concretizar, Jardim afirmou que é o Estado que tinha "de ser posto em tribunal".

"O orçamento contém inconstitucionalidades e ilegalidades", respondeu e quando interrogado sobre se a iniciativa tinha a ver com as pensões, Jardim retorquiu: "tudo isso é inconstitucional, o estado não pode, a seu critério, cortar as pensões a um tipo que descontou a vida inteira", exclamou.

O responsável já antes tinha acusado o Estado de ser "uma fraude", porque "aplica impostos retroactivamente".

Jardim relembrou que "quando era estudante de direito, quem fosse para o exame de Direito Fiscal dizer que os impostos se aplicavam retroactivamente, chumbava", concluiu.

Continuou, criticando o Tribunal Constitucional por estar "desacreditado" e por deixar "passar a retroactividade dos impostos".

O governante afirmou ainda que como português se sente "ridículo" porque o país chegou "ao ponto em que chegou" e a alternativa dada aos portugueses é que sejam "os mesmos que trouxeram esta hecatombe" a continuarem no comando do destino de Portugal.

Apontou ainda que "os outros que deviam substituir aqueles que não souberam actuar", também dizem que preferem que "isto continue nas mãos daqueles que deram cabo disto, e isto é gozar com os portugueses", concluiu.



Ou seria o inglês (Parkinson)?

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Consegue poupar dinheiro no fim do mês?

Inquérito telefónico no Opinião Pública da SIC.



89% disseram que não; 11% que sim.

Gostava que o não tivesse tido 0%. Quereria dizer que 89% tinham poupado 60 cêntimos mais IVA em vez de o darem a ganhar à SIC e ao Estado!!!

Bloco propõe 15 medidas para aumentar receitas e combater desemprego

Na abertura oficial das Jornadas Parlamentares do Bloco, em Viseu, Francisco Louçã criticou “a política da bancarrota” do Governo no OE’2011, que conta com “dois capítulos secretos” - o do “buraco” do BPN e o dos três mil milhões de euros a mais para cobrir o défice.

Referindo-se à proposta do Governo de OE’2011 do Governo, Francisco Louçã afirmou que o que foi apresentado ao país “é uma factura duríssima para ser paga e imposta aos sectores mais empobrecidos e aos trabalhadores”.

O Bloco faz as contas e diz que 300 mil trabalhadores da função pública terão o seu salário reduzido (perderão um mês de trabalho por ano), 1 milhão e 800 mil pensionistas perderão valor nas suas pensões que serão congeladas, mais de um milhão de pessoas perderão o reforço do abono de família e 383 mil crianças perderão o abono de família a que têm direito e todos os contribuintes que estão nos escalões acima dos 530€ de rendimento colectável por mês também sofrerão uma substancial redução dos seus rendimentos por via do aumento de impostos.

Ao todo, estas medidas afectarão 5 milhões de pessoas, “5 milhões vítimas deste orçamento”, classificou Louçã, acrescentando que, contudo, o orçamento “atinge muitas mais pessoas” por causa da subida do IVA, do aumento do preço dos transportes e do aumento do preço dos medicamentos que voltará a acontecer em Janeiro. “Grande parte da população portuguesa pagará a factura deste orçamento”, disse Francisco Louçã.

Em contrapartida, “o resultado do orçamento é garantido, haverá uma recessão”, afirmou Louçã, argumentando que para a instabilidade financeira “é apresentada como alternativa ‘a política da bacarrota’, que é a forma deste orçamento e a sua estratégia para este e para os anos seguintes”, ou seja, “degradar a economia, aumentar o desemprego e reforçar a precariedade”.

Os capítulos escondidos no OE’2011

Francisco Louçã denunciou dois “capítulos escondidos” na proposta de OE’2010 do Governo. O primeiro corresponde ao tema do ‘buraco do BPN’, “sobre o qual nada se sabe”, uma vez que Teixeira dos Santos nunca conseguiu responder ao país sobre os 4,5 milhões de euros que saíram das contas públicas para pagar o BPN e que, segundo Louçã, correspondem ao valor de nove submarinos, um montante igual ao do valor da consolidação orçamental prevista para o próximo ano.

“Se algum dia a conta do BPN entrar nos capítulos da dívida ou do défice, então teremos uma duplicação da política da austeridade e da bancarrota e serão os contribuintes que terão de pagar a factura”, afirmou Louçã.

O segundo capítulo escondido é o do endividamento, “facto curioso”, ironizou Louçã, porque é precisamente por causa da dívida externa que os juros da dívida têm aumentado e justificado o agravamento do custo da vida das pessoas, o que leva à necessidade de medidas excepcionais sobre os mercados financeiros, argumentou.

Segundo Louçã, o défice previsto para 2010 é de 4,6 por cento (cerca de 8 mil milhões de euros), mas o aumento da dívida, que cobre este défice, ultrapassa em muito este valor e é de 11 mil milhões de euros. “Onde estão os outros 3 mil milhões de euros”, pergunta Louçã, adiantando que estes milhões de euros “servirão para proteger o sistema financeiro que afundou a economia financeira, serão como ‘uma almofada de segurança’ para usar de novo se assim for preciso”.

Bloco quer recuperação da economia e Estado Social mais forte

Nas Jornadas Parlamentares, o Bloco procurará as respostas económicas e sociais que o país precisa, para “recolocar as prioridades na economia”. Trata-se de uma política socialista para uma geração”, afirmou Francisco Louçã.

Para isso, o Bloco trabalhará num conjunto de propostas com três grandes objectivos: combater a recessão com um programa de recuperação orçamental, “para começar já a responder ao problema do desemprego”; uma revolução fiscal para trazer mais democracia e transparência no sistema tributário e o reforço do Estado Social com melhor distribuição dos rendimentos.

Louçã avançou com algumas das 15 propostas fundamentais que o Bloco apresentará para o OE’2011 e que prevêem uma receita de mais 4 mil milhões de euros no ajustamento orçamental.

O Bloco propõe a venda dos submarinos, uma vez que estes valem mil milhões de euros, que é o valor igual ao que representa o corte nos salários que o Governo quer fazer - “Defende-se o salário contra os submarinos inúteis”, disse Louçã -, o aumento das pensões (25 euros nas pensões até aos 500 euros, e 20 euros nas pensões até aos 1000 euros), e uma auditoria e reapreciação das Parcerias Público-Privadas.

No campo da despesa, Louçã destacou também as propostas do Bloco para o corte nos contratos que a ADSE tem estabelecido com hospitais privados, da redução do recurso a empresas e institutos de auditoria ou assistência técnica privados, que valem mais de um milhão de euros, da manutenção dos 10 por cento no IRC pago pelas empresas, e da taxação dos fundos de investimento.

Por último, Louçã anunciou uma medida que representará uma “transformação do sistema fiscal”: trata-se de propor um imposto único sobre o património, passando este a incluir não só o património mobiliário, mas também o imobiliário e as acções.

“É incompreensível que um património como este, esta riqueza, não pague qualquer imposto em Portugal”, afirmou Louçã. O Bloco quer assim estender este princípio da responsabilidade fiscal a todos os domínios do património com um imposto progressivo (1 por cento para valores a partir de 1 milhão de euros e de 2 por cento para valores superiores a 2 milhões de euros).

“É possível governar contra a austeridade e a favor da democracia”, rematou Francisco Louçã no final do discurso que antecedeu uma sessão pública sobre “Que Orçamento para responder à Crise?”, com o economista José Reis, o médico António Rodrigues e a deputada e líder parlamentar do Bloco Cecília Honório e José Manuel Pureza.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

O ALDRABÃO II

A versão preliminar da proposta de Orçamento previa que os rendimentos das contas com beneficiários não identificados fossem taxados a 46,5%, mas o Governo recuou para os 30%
Os rendimentos de capitais depositados em contas bancárias cujos titulares não se encontrem claramente identificados serão tributadas a uma taxa liberatória de 30%, estabelece a proposta de Orçamento do Estado para 2011. A penalização está lá, mas atenuada face às versões preliminares da proposta, a que o Negócios teve acesso.

Num primeiro momento, a tributação para este tipo de contas bancárias passaria a ser efectuada a uma taxa de 46,5%, a aplicar sobre todos os rendimentos de capitais pagos ou colocados à disposição em contas abertas de um ou mais titulares, mas por conta de terceiros não identificados. Apesar do recuo no valor final da taxa, mantém-se a penalização, já que este tipo de rendimentos é, em regra, tributado à taxa liberatória de 21,5%. No caso das contas abertas em nome de um ou mais titulares, por conta de terceiros devidamente identificados, aplicam-se as regras gerais, sem qualquer penalização.

in "Negocios"



MENTIROSO!!!

O ALDRABÃO I

Afinal, os juízes e os magistrados do Ministério Público vão continuar a não pagar IRS sobre os subsídios de renda e as casas de função que lhes são atribuídas. O Governo pretendia sujeitá-los a tributação, igualando a situação destes profissionais às dos demais contribuintes, mas na versão final do OE/2011 recuou
No espaço de poucos dias, o Governo recuou na sua intenção de sujeitar a IRS os subsídios de residência e as casas atribuídas aos juízes e aos magistrados do Ministério Público.

A proposta de Orçamento do Estado entregue esta noite no Parlamento é totalmente omissa em relação a esta questão, que estava expressamente referida nas duas versões preliminares a que o Negócios teve acesso.

Aí, nesses documentos, o Governo clarificava que os juízes e magistrados do Ministério Público passariam a ser obrigados a pagar IRS sobre os subsídios de habitação e as casas que recebem para se fixarem nas respectivas comarcas. Apesar de o Código do IRS já prever que assim seja há vários anos, os juízes sempre alegaram a formulação vaga da lei para se porem a salvo do pagamento de impostos.

As redacções preliminares da proposta do OE/2011 corrigiam esta desigualdade, mas a versão ontem entregue recua.

in "Negocios"



MENTIROSO!!!

Revolta!

Como já todos perceberam, o tipo a que chamam primeiro-ministro, mais a sua cáfila de bandidos, decidiu descarregar sobre os que menos podem toda a sua loucura e o seu mau carácter.

Pelo meio daquele ataque cerrado, para disfarçar, vinham algumas medidas que pareciam querer atacar alguns privilegiados e outros tantos vigaristas.

Puro engano. Mas eu não as vou olvidar e irei pôr aqui todas as manigâncias de que tiver conhecimento.



Estou cheio de aldrabões...

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

PORTUGAL GANHA O NOBEL DA QUÍMICA 2010

Depois do átomo e da descoberta do neutrão, do protão, do fotão, do electrão, do quark, do fermião, do busão, do gluão, José Sócrates Pinto de Sousa acaba de descobrir o pelintrão, um corpo sem massa nem energia que suporta toda a carga.



Ninguém nos livra desta praga?

A pouca vergonha não tem limites!



Não corram com eles, não...

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Cada qual com a sua preocupação...

Anda para aí um 'bloguista' muito preocupado pelo facto de em Salvaterra de Magos (autarquia que, como é sabido, tem o apoio do Bloco de Esquerda) se ter contratado um técnico por uma equipa de pessoas onde o pai desse técnico era... vejam só... vogal suplente (sim, leram bem, VOGAL SUPLENTE!!!)...



Mas de um viagenzita de custou quase 10 mil euros aos contribuintes madeirenses, que até deu para ir a um casamento particular... NADA!!!

Percebe-se...

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Mais uma besta!!!

O governador do Banco de Portugal acha que as medidas de austeridade são boas porque incentivam à poupança...(!!!)





(escolha)

Ó sua besta! As medidas de austeridadde TIRAM dinheiro às pessoas, logo elas não vão poupar NADA! Vão ter ainda mais dificuldades em viver!!!

Mas isso é uma coisa que interessa pouco a quem ganha mais de 20 MIL EURO por mês, não é???

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

E ninguém sodomiza este gajo?

O presidente do PS considera que o esforço pedido pelo Executivo com novas medidas de austeridade "não são sacrifícios incomportáveis" e que "o povo tem que sofrer as crises como o Governo as sofre"...

in Público



Devias era ter enfiado os dedos na boca antes de falares...

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Mais uma clareza!

Começa a ser irritante o número de vezes em que as acções a desenvolver pelo Bloco de Esquerda, devidamente reportadas para a comunicação social, não têm a presença de qualquer jornalista. Se alguns órgãos têm justificações, mais ou menos, válidas para a sua ausência - e por esse motivo, desde há uns tempos a esta parte, o BE grava o som das acções e depois envia para todas as redacções (habituou-os mal) -, outros (a maior parte) não tem qualquer desculpa.

Nem a argumentação de falta de pessoal ou material serve de atenuante, uma vez que para os outros partidos (alguns até com menor expressão política que o BE) há sempre gente e microfones e câmaras...



Que não gostem de nós, compreendo e tenho de aceitar (cada qual gosta do que gosta), agora, fazerem discriminação negativa do Bloco de Esquerda, não aceito, não compreendo e repudio!

Queixam-se do AJJ, que é ditador, que é prepotente, que quer acabar com certa comunicação social, mas os microfones e as câmaras estão lá sempre, nem que seja em 10 actividades num dia só. Para uma do Bloco de Esquerda, NADA! E quando alguma notícia sai para o público, é num cantinho de jornal ou em 10 segundos de televisão!

Depois, vêm dizer que a oposição é assim e é assado e que não tem propostas. Pois, pois! Razão tinha o outro que dizia que a comunicação social tanto vende um sabonete como um presidente da República.

TENHAM VERGONHA!!!

É lançado dia 1 de Outubro...



... aguardam-se rectificações e desmentidos a partir do dia 2, no JM...