quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Não há vergonha na cara?

"A Segurança Social promoveu todas as chefias para compensar os cortes salariais no próximo ano. O aumento tem efeitos retroactivos ao início de 2010. As nomeações foram hoje publicadas em Diário da República e são assinadas pelo ministro das Finanças."



Parece que não. E ninguém desata aos tiros...

Aqui: http://sic.sapo.pt/online/noticias/dinheiro/Chefias+da+Seguranca+Social+foram+promovidas+com+retroactivos+a+Janeiro.htm

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Como se chama a esta observação?

A culpa da derrocada no Curral das Freiras foi da muita chuva que caiu - Santos Costa



E quem é que deixou lá as pedras? E quem é que não se preocupou com as pessoas? Estão há espera que alguém morra?

Realmente o homem tem ar de cangalheiro... Será mais um dos nossos governantes 'doentes' (segundo Miguel Mendonça, há vários)...

É oficial!!!



Francisco Freitas Letra

E pode???

Deus chamou o André Villas-Boas e disse-lhe:
- Este ano não vais ter presentes no Natal.
- Mas porquê meu Deus, o que fiz de errado para merecer esse castigo?
- Brincaste com Jesus...



Estou a ver que para o ano também não vai ter...

Nunca, nada, nem pensar nisso, foram só 147.500 euros de mais-valias

Cavaco Silva desmentiu ontem, ao sair de um debate da TVI, que tivesse qualquer coisa que ver com o BPN: "nunca comprei nem vendi nada ao BPN" (veja o vídeo em http://www.tvi24.iol.pt/videos).

Vamos aos factos.

Primeiro facto. Cavaco Silva comprou 105.378 acções da Sociedade Lusa de Negócios, dona do BPN, a um euro cada. A 17 de Dezembro de 2003, vendeu-as a 2,5 euros, com um lucro de 147.500 euros. As acções estavam depositadas na conta 6196171, do próprio Cavaco Silva, no BPN.

Segundo facto. As acções da SLN nunca estiveram cotadas. O seu valor para o momento da venda era determinado por um contrato, entre Cavaco Silva e a SLN, que ficou sempre secreto. Mas o resultado é conhecido: a SLN atribuiu a Cavaco Silva um ganho de 150%.

Terceiro facto. Cavaco Silva escolheu Dias Loureiro, seu ex-ministro e responsável na sua campanha presidencial, para o Conselho de Estado.

"Nunca comprei nem vendi nada ao BPN", diz Cavaco Silva. Esqueceu-se de dizer que comprou e vendeu ao dono do BPN. E com uma mais-valia assinalável, determinada por um favor contratual de Dias Loureiro ou de Oliveira e Costa, seus ex-ministro e ex-secretário de Estado.

Por:



Haja coragem de esclarecer mais este cambalacho...

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

20!!!

Número fatídico??? 20 de Fevereiro, 21 de Outubro, 20 de Dezembro...



Vamos à bruxa... ou sacrificamos um gorducho?!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Uma esmola, por favor

Há quem esteja necessitado da nossa caridade. Este fim de semana, o mal intencionado debate acerca do aproveitamento político da pobreza serviu para mascarar esta realidade imperativa. mas eu não me calo: há mesmo quem esteja necessitado da nossa caridade.

Porque ele sofre mais do que os sem abrigo. Os desempregados, nem comparar. Eles recebem caridade, ele desprezo.

A ele falta-lhe tudo, o carinho, a atenção, qualquer coisa que seja, um olhar, um gesto.

Mas era vê-los antes, em fila à porta, a solicitar um favor, eu não me esqueço. Quando se cai em desgraça ninguém olha para o pobre.

Ninguém o respeita. Noutros tempos, era convidado para todas as festas e coktails. Agora viram-lhe a cara se o encontram na rua. Fazem-no esperar nos corredores do ministério e não o atendem. Antes, esperavam uma caixa de robalos, o que fosse, senhor doutor, por quem é, era tudo mesuras, não esqueça a comissãozinha, e cumprimentos à família, senhor engenheiro. Agora, na pobreza, ninguém atende o telefone, ninguém responde, ninguém ajuda.

Sim, já sei, vais dizer-me que já deste alguma coisa. Mil euros, cada contribuinte. Mas o que é isso comparado com o que recebemos? O nome que ficou em Marrocos e no Brasil, em Cabo Verde e na Europa? Mil euros por contribuinte é coisa que se veja? Não, o BPN precisa de mais. Precisa da nossa esmola. Direi mesmo mais: precisa da nossa solidariedade. É Natal, não fechemos os olhos à pobreza. Caridade, há quem precise da nossa caridade.

Autor:


Há coisas fantásticas, não há?

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Comunicado à imprensa que a imprensa não divulgou...

Perante mais um ataque desinformativo por parte de quem devia ter como missão esclarecer os ouvintes e/ou leitores, o Bloco de Esquerda vem, por este meio, repudiar as afirmações efectuadas no programa Dossier de Imprensa, na última quinta-feira na RTP-Madeira, acerca da nossa posição relativamente à Zona Franca Industrial.
Na sua ânsia de defenderem as posições indefensáveis do PSD, há pseudojornalistas que metem os pés pelas mãos, confundem alhos com bugalhos e revelam uma ignorância atroz acerca do que falam, ou, pelo menos, uma incapacidade aflitiva de se tentarem informar para bem poderem informar os outros; o Bloco de Esquerda nunca argumentou, nunca se pronunciou, nunca se manifestou contra a Zona Franca Industrial.
O Bloco de Esquerda sempre se mostrou liminarmente contra a Praça Financeira Exterior, vulgo ‘offshore’, que tem como principal base, não a instalação física no Caniçal, mas uma imaginária colocação num edifício na baixa do Funchal, que serve de fachada para negócios pouco claros que têm sido denunciados, inclusivamente, pela imprensa mundial. Essas ‘empresas’, que fazem passar milhares de milhões de euros pela Madeira, sem pagarem um cêntimo de impostos, não criam qualquer posto de trabalho, não geram receitas para a economia da Região (excepto aquilo que dão a ganhar aos seus mandantes e gestores), nem são sequer uma mais-valia em termos de reconhecimento público do arquipélago (bem pelo contrário).
Por tal, e mais uma vez, o Bloco de Esquerda-Madeira manifesta a sua total oposição ao ‘offshore’ da Madeira, considerando que é apenas mais um instrumento de fuga ao fisco, de lavagem de dinheiro e de enriquecimento ilícito de alguns, que se aproveitam da Madeira e dos madeirenses para se encherem cada vez mais, enquanto a maioria da população vai vendo e sentindo os seus direitos cada vez mais coarctados, a sua vida mais dificultada, as suas necessidades básicas mais limitadas.
O Bloco de Esquerda-Madeira repudia de todo as afirmações de pretensos jornalistas sobre a sua posição referente à Zona Franca Industrial e reafirma que se manifesta apenas contra o ‘offshore’ e contra tudo o que de negativo e pouco transparente aquele ‘negócio’ apresenta.

Junto se anexa notícia do Correio da Manhã, da última terça-feira, que confirma a posição do Bloco de Esquerda.

“Segundo notícia do jornal Correio da Manhã desta terça feira, na Praça Financeira da Madeira existem 2.678 sociedades com actividade declarada. Dessas, apenas 97 tinham mais de dois trabalhadores, 107 têm apenas um trabalhador e 2.435 não têm nenhum trabalhador, sendo apenas um endereço postal, certamente para fugir ao fisco. Segundo o jornal, que teve acesso a dados do Ministério das Finanças, 1.679 sociedades sediadas no offshore da Madeira declararam proveitos, mas apenas 51 pagaram impostos. Em 2009, o valor dos proveitos declarados por essas empresas foi superior a 18.000 milhões de euros e os lucros líquidos atingiram mais de 3.700 milhões de euros, no total. Se fosse aplicada a taxa média de IRC (20%), essas empresas deveriam ter pago ao Estado português cerca de 750 milhões de euros, no entanto o fisco recebeu apenas 5,9 milhões de euros.”

Funchal, 10 de Dezembro de 2010
O Secretariado do Bloco de Esquerda-Madeira



Há coisas que é necessário branquear, não é?

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

(Des)informação...



Resposta de um açoriano (que, por acaso é socialista):

"O que se passa é que o corte é "sem excepções", como bem diz o Ministro. Acontece é que, "sem custar mais um cêntimo", o Governo Regional decidiu atribuir uma remuneração compensatória no exacto valor do corte aos funcionários que ganhem entre 1.500 e 2.000 euros brutos, como já decidira atribuir um complemento regional de pensão e um complemento regional de abono de família. De onde vem o dinheiro para a dita "excepção"?. Simples: pegou-se em 3 milhões de euros que estava destinados a cobrir o Estádio de São Miguel, que vai continuar sem cobertura... et voilà."

E que tal poupar os 40 milhões para o estádio do Marítimo e fazer o mesmo por cá?

Fundo para despedimentos...

Espera aí! Agora os trabalhadores vão pagar os seus próprios despedimentos???



Está tudo louco...

LADRÕES!!!

As gasoleiras voltaram a subir esta semana os preços da gasolina e do gasóleo, que estão já nos valores mais elevados dos últimos dois anos.

Depois de ter subido o preço dos combustíveis no início da semana, a Galp voltou a aumentar esta quinta-feira o preço do litro da gasolina e do gasóleo em 1 cêntimo, avançou fonte da empresa ao Económico. Assim, a gasolina custa agora 1,469 euros por litro nos postos da petrolífera portuguesa, enquanto o gasóleo vale 1,249 euros o litro.

O mesmo sucedeu na Repsol, onde os preços dos combustíveis voltaram a subir esta madrugada pela terceira vez desde sábado. A gasolina sem chumbo 95 e o gasóleo sofreram hoje ambos um novo acréscimo de 1 cêntimo, valendo agora 1,479 euros e 1,259 euros por litro, respectivamente, nos postos de abastecimento da Repsol.

Também a Cepsa já mexeu nos preços dos combustíveis três vez desde o último fim-de-semana. A última alteração foi feita ontem, quando desceu o preço do gasóleo e da gasolina, em 0,5 e 1 cêntimo, respectivamente, depois dos aumentos feitos no sábado e segunda-feira. Actualmente, o litro do gasóleo custa 1,239 euros e a gasolina vale 1,459 euros nos postos da gasolineira espanhola.

Já na BP, o litro da gasolina sem chumbo 95 octanas está mais cara em 2 cêntimos desde quarta-feira (a sua última actualização) e custa agora 1,469 euros, enquanto o litro de gasóleo subiu 1 cêntimo para 1,249 euros nos postos de abastecimento da energética inglesa.

São os preços mais elevados quer da gasolina quer do gasóleo desde o último trimestre de 2008, segundo avançou a mesma fonte ao Económico, altura em que o preço do petróleo atingiu máximos históricos, acima dos 147 dólares por barril.



Repito: LADRÕES!!!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Coisas que o BE anda a dizer há MUITO TEMPO!

Segundo notícia do jornal Correio da Manhã desta terça feira, na Praça Financeira da Madeira existem 2.678 sociedades com actividade declarada. Dessas, apenas 97 tinham mais de dois trabalhadores, 107 têm apenas um trabalhador e 2.435 não têm nenhum trabalhador, sendo apenas um endereço postal, certamente para fugir ao fisco. Segundo o jornal, que teve acesso a dados do Ministério das Finanças, 1.679 sociedades sediadas no offshore da Madeira declararam proveitos, mas apenas 51 pagaram impostos. Em 2009, o valor dos proveitos declarados por essas empresas foi superior a 18.000 milhões de euros e os lucros líquidos atingiram mais de 3.700 milhões de euros, no total. Se fosse aplicada a taxa média de IRC (20%), essas empresas deveriam ter pago ao Estado português cerca de 750 milhões de euros, no entanto o fisco recebeu apenas 5,9 milhões de euros.



Mas como é a comunicação social...

Talvez seja melhor pensarmos nisto...



Subscrevo completamente!